27 de dez de 2011

A força das ondas

 
imagem: weheartit


        Às vezes, um impulso de estranha coragem me atinge. Bate na minha quietude como jato d'água em rocha; que treme. E muda, por um segundo. 
        Não fico muda. A voz destemida escapa entre os lábios, rasgando sem dor, a garganta. Depois me percebo "descorajosa" e penso com meus botões folgados: "Como fiz aquilo? De que lado veio a força impulsionadora? Por onde passou até chegar a mim? Como eu não pude ver?"
          E, em algum tempo, chego à conclusão de que o melhor aconteceu. E ainda virá mais. Porque, graças a Deus, às vezes sou distraída.


by Rachel Nunes*

23 de dez de 2011

Ainda é primavera.

imagem: weheartit


Lâminas de fogo dilaceram o mar.
Fazem escorrer o sangue do ar que evapora.
Há uma vontade de viver que sobrevive. 

Em algum canto deste coração,
Uma esperança floresce em meio à escuridão.

E sei que a flor ainda não morreu.
O rio só secará quando vida e morte não mais se encontrarem.
A pipa só cairá no dia em que a noite adormecer sem lua.

Porque é preciso haver morte na vida 
E vida na morte.
Assim como o fim do dia
Não acontece sem a anfitriã dos astros.

A flor vai murchar, no mesmo instante que a necessidade deixar o ser.


by Rachel Nunes*

9 de dez de 2011

Para onde as rimas foram?

imagem: weheartit


Turva, turva,
A mente balança tanto.
Estremeço na terra
O que falta no ar.

Necessito respirar,
Já cansei de esperar.
Minha alma arfa
E meu coração sofre.

Procuram a vida
No meio dos espinhos da morte.

Eu busquei tanto o seu "sim"
Que me esqueci de mim.

Eu chorei tanto 
Que perdi a trajetória.
E entrei no atalho,
Porque eu quero chegar.

Desejo encontrar 
A luz dos seus olhos
No fim desse tormento.

Eu anseio 
Pelo começo do seu amor.
Porque há tempos
O meu nasceu.

Eu estiquei cansadamente 
Os braços para tocar-te,
Mas não alcancei.

Caí no lago
E descobri
Que você era apenas uma ilusão.


O reflexo lunar na água ofuscou os meus sentidos.


by Rachel Nunes*

4 de dez de 2011

Luz no poço.

imagem: tumblr


Há tanta poesia dentro de mim...
Tantas palavras presas na garganta.
Entaladas.
Envoltas em uma mão suprema que sabe o que não consigo entender,
Por não enxergar ou não querer aceitar.

Uma compreensão, por favor.
Um sentimento que não gere rancor,
Uma pureza que sempre quis,
A claridade que refiz.

Uma lupa e um mapa.
Meios de encontrar o que não sei se realmente procuro,
Mas que é preciso.
Eu tenho que buscar.


Às vezes, a procura já é suficiente.


by Rachel Nunes*
                                                                 

25 de nov de 2011

Janela aberta.


imagem: weheartit


Café frio, coração vazio.


Eu vou me sentir bem. Sem você, só a bebida amarga que adoça a minha frieza. Gélida saudade do que você poderia ser. Do que, como essa fumaça, voa para bem longe. Mas deixa o aroma da solidão nos meus cabelos. Sozinhos, sentindo a falta do carinho que nunca receberam. Das mãos que sempre foram frias, como o líquido negro desta xícara que seguro em minhas mãos trêmulas.

...

Inconstância exteriorizada.


by Rachel Nunes*




                                                              

6 de nov de 2011

Tudo bem

imagem: weheartit


Nuvem no céu é temporária.
Às vezes não parece,
Mas o sol sempre aparece.

É que nos acostumamos com o "blackout" dos sentimentos felizes.
Mas o claro sempre está disponível
Para meros olhares mortais.

Sempre está lá.
Longe,
Do seu lado, 
Dentro.

No âmago ou amargo da verdade, 
Na neblina que esconde o mal,
O painel no teto estampa o branco
Da paz, recomeço ou vírgula.


by Rachel Nunes


23 de out de 2011

Lumus!

  imagem: weheartit


Engula a luz.
Deixe-a clarear o interior.
Ilumine-se para que todos o sejam.

Uma vida na sombra equivale à morte.
Quem quer viver, não pode permanecer na cadeira da indiferença.




Não pode, não deve, não vai anoitecer.
Não se a luz estiver do lado de dentro.


by Rachel Nunes*

6 de out de 2011

Pétalas cósmicas

imagem: weheartit


Seu sorriso ilumina,
Sol vindo do oeste.
Eu não sei o que há no país dos seus pensamentos.
Mas conheço bem a chegada das borboletas.

Que já vieram.
Já faz um tempo
Que ele não faz mais sentido.

Chuva constante
De estrelas cadentes no meu universo.

Ofuscando a claridade que conservo,
Jogando flores no ar
E guardando seu olhar
Em algum espaço lunar.


by Rachel Nunes*

29 de set de 2011

Um colírio para a mente

   Às vezes desejo esquecer-te. Às vezes desejo. Mas quanto mais descarto, mais fixa na mente. E fortifica. Constrói, aos poucos, um forte indestrutível. Um abrigo para o sonho medroso. A vontade desmedida de ser correspondida.
   
         Queria que o sol acordasse. Não a mim, mas a ele mesmo. Afastasse de si o receio. A preguiça indesejada de doar luz. Chacoalhasse as trevas que circundam o belo. Que desentortasse as curvas, formando uma linha reta que não leve ao esquecimento.

     - O que quero afastar já faz parte de mim. Não consigo mais. É como corte profundo cuja cicatrização independe da minha vontade... Mas depois desaparece. E pode ser que, infelizmente, você também vá.
       - Mas não é isso o que tu querias?
       - Não. É o que eu achava que desejava.                                                    


by Rachel Nunes*


Imagem: weheartit

18 de set de 2011

Cadê o laço?

imagem: weheartit
      O café posto à mesa como numa refeição de natal. Mas não se trata de uma celebração. É só o nó. O aperto, sabe? E o café puro cura.
      Esquisito isso, não é? Mas é exatamente assim. Você não leu errado. E olhe que eu nem gosto muito da tal bebida. Ah, sei lá... Às vezes ela é segurança. Um "certo" nessa vida. Um amargo que conheço bem. Não o sabor aromático, mas o aroma do sabor "amorífico".    
      Não faz mal se não entender essa frase. É só uma sentença. Uma das que tento esquecer por enquanto. Até ter coragem para recusar o esquecer.


by Rachel Nunes*

                       

12 de set de 2011

A volta no ar.

Cor pálida,
Som de terra,
ar de crisálida.

Ela desabrocha
Sem perceber o perfume inédito.

São com flores que ela enxuga as lágrimas.

Porque para curar ferida interna
Só mesmo o amor.
O que machuca e sara.

 O punhal no peito,
O tiro na água,
O sapato furado no teto.


by Rachel Nunes*



imagem: weheartit

7 de set de 2011

Ainda não parou

                                                                   imagem: weheartit



           Não consegue ver que ainda balanço o pêndulo? 
Que ainda espero uma reação? 

Não sei por que, mas sou assim:
 estico os olhos para tentar ver o que eles não conseguem. 

Não suporto a ideia de nunca sentir o vir e só ter o ir. 
Na minha perturbada inquietude, na floresta tenebrosa do nunca. 
Necessitando de um feixe de luz no meio das folhas.



by Rachel Nunes*

1 de set de 2011

Amorfrenia

                                                                      imagem: weheartit


                  
  Flores inquietas esperando a primavera nos meus olhos.
        Para desabrocharem e beijarem o vento.

Há tempos fixaram-se no solo da minha alma.
Aguardando, numa turva calma,
A chuva que rejuvenesce.
Que enraíza o encanto
E estende o tapete vermelho do tempo.

Botões de flores esperando a primavera nos teus olhos.
Para concretizar um ideal
E retirar a maquiagem do amor.
Olhos limpos na varanda do quarto,
Avistando o jardim e ignorando as folhas secas
Que as cores tentam esconder.

Como eu queria que não houvesse inverno em tua morada...
Só a estação das flores e do sol.
Só o aroma e o brilho
Que não permitem a ignorância.

Como eu anseio pelas tuas palavras sinceras que ainda não vieram...
E que me seriam tão benéficas.

Às vezes chove e não molha.
Às vezes os pássaros cantam e não escuto.
Às vezes a ansiedade é maior que a percepção do real.
Às vezes a espera é muita e a recompensa pouca.

Às vezes não vem.
Simplesmente porque não foi.
Porque nunca existiu.
Porque é só imaginação.
Porque é esquizofrenia do coração.



by Rachel Nunes*

27 de ago de 2011

Metáfora

                                                                     imagem: weheartit

                     Sou folha rasgada, que, com o toque de uma brisa suave, dança freneticamente como se não possuísse vida.  Mas será mesmo que não possui? Quem foi que disse isso? Pedaço de folha não pensa. Se o faz, já não é mais. E passa a ser o quê? Talvez folha viva, ou até algo que sinta e escreva. Até cair, de vez em quando, num poço perto do lago da realidade. Boiar na água parada e ter a sensação momentânea de que já não existe mais.
                     Até descobrir que o poço também contém o real. E que, a mesma brisa suave que a transportou até ali, será aquela que a levará gentilmente para outro jardim. Onde as curvas do vento que arrancaram sua parte, completem-na novamente.
                     Folha que nasceu para ser inteira não resseca metade.



                                                                     by Rachel Nunes*

24 de ago de 2011

Instruções

                                                                  imagem: weheartit


Pule!
Entre na água,
Adormeça no mar,
E na próxima cachoeira deságue.

Jogue a terra no rio,
Observe ela encontrar um destino.
Uma parada final que nunca pára.

Sempre há movimento na praia.
Na areia escaldante do intelecto,
Na sombra tranquila de um guarda-sol.

Que guarda uma luz.
Para o próximo verão,
Para uma nova estação,
Para a próxima inspiração.

Pule no oceano das canções invisíveis.
Pule as ondas até a maré baixar.

Empurre as palavras do penhasco.
Para que elas sejam remos
De um barquinho no meio do nada.



by Rachel Nunes*

21 de ago de 2011

Estrela-do-mar cadente

                                                                       imagem: tumblr


Você nunca solidificou na minha vida.
Nunca deixou de ser água.
Até agora.
Até um "só Deus sabe quando".
    
Você sempre foi rio que não deságua em canto nenhum.
Estrela-cadente que não sabe onde cairá.
Talvez em um canteiro desconhecido.
Um coração, talvez.
     
A incerteza rodeia a minha mente.
Agonia desastrosa de só voar em terreno vazio.
Ansiando incontrolavelmente por um controle.
Alguém que me pare, só para poder me alcançar.

É que eu ando rápido demais.
A pressa do coração inspira a inquietude da alma. 


by Rachel Nunes*

18 de ago de 2011

Um dia (parte 2)

                                                                     imagem: weheartit


O coração que ama jorra sangue perfumado.
E um dia você saberá que é verdade.
Um dia.

Um dia, você sentirá a água vermelha escorrer.
Talvez não perceba de imediato a sua existência,
Mas é só questão de tempo.

Tempo que o amor não vive sem,
Muito menos aquele sem este.
Nem eu sem eles.

Um dia, a venda dos olhos do seu coração
Será retirada pelas mãos da necessidade.

Um dia, o aparente nada do seu eu
Mostrará o tudo que sempre foi.

Um dia, o "um" será "o".

Um dia, a felicidade febril
Será o calor vital que derreterá sua geleira inteira.

Um dia, não haverá espaço para o vazio completo.
Tudo um dia será cheio
E o que não mudou não terá mais chance de ser.

Um dia, não mais será.
O ser será o que não foi.


by Rachel Nunes*

15 de ago de 2011

Um dia (parte 1)


                                                                     imagem: weheartit


Um dia você vai.
Não sei o que, mas vai.
Não adianta fugir
Do possível, e muito menos do que não é.

O amor não é impossível;
Só é impossível não amar.
(Até o ódio tem amor)

Flor ferida que não cicatriza está para sempre marcada
Pelo corte do amor
Que dói muito, muito, muito, nada, muito.


by Rachel Nunes*

11 de ago de 2011

Fixada nas nuvens

                                                                    imagem: weheartit



Borboleta presa não vê o chão.
A gaiola metafórica é ilusão desastrosa dos desiludidos.
            Quem sonha não vê nada além do céu – celeste, sereno e pedregoso.

Sim, sim, há dificuldade no fim.
O prosseguir é repleto de cercas.
Para atravessar tem que voar.
Esquecer as cordas que amarram nossos pés e
Regenerar as asas cortadas pelo vento cruel.

Impulso. Aquele que surge quando a lembrança do calor, antes esquecido,
Refresca o caminho futuro.
Impulso futuro: a união de um agora com o antigo depois.
O vôo terrestre de quem não sabe voar.
O devaneio de quem não sabe não tentar.



by Rachel Nunes*

8 de ago de 2011

Sem fim

                                                                  imagem: weheartit


Preencha! O vazio é tão triste...
Falta de sentimento, poesia, letras e gestos.

Encha! De vida, corações e doces.
O pouco sem tudo é nada.

O tudo é belo. Palavras com vida, pedaços de planta, coragem da boca do coração.
O tudo é falta de medo. Soltar as palavras enjauladas na mente.
Voar é tudo. Sair da mente para entrar na eternidade.

Libera! Quanto mais vai, mais volta.


by Rachel Nunes*

5 de ago de 2011

Tempestade silenciosa

imagem: weheartit


 
Tá chovendo.
Mas é chuva diferente. Nada de água.
São só flores.
O pouco e o tudo.
Pra seca na alma, o líquido das nuvens não funciona.

As pétalas podem saciar.
Nosso olhar que tem sede do belo -
a água do espírito.



by Rachel Nunes*

3 de ago de 2011

Permissão

                                                                     imagem: weheartit


Deixa vir, deixa.
Deixa entrar no coração e na mente, deixa.
Deixa o vento levar, deixa.
Para dentro, para o oculto, para sempre.

Faz assim, só deixe controlar o que pode controlar.
E é somente o que é bom, o que fortalece a coragem.
De amar,
de clarear,
de ser o
ou a falta do ar.


by Rachel Nunes*

1 de ago de 2011

Overdose



                                                                       imagem: weheartit



Mas se você pensar bem, pensar às vezes dói.



by Rachel Nunes*

30 de jul de 2011

Escassez

                                                                    imagem: weheartit


É que falta um tudo que às vezes penso não ser nada.
Algo que cultivo sem nunca haver semeado.
  
 Uma louca num jardim vazio.
Uma nervosa sem nenhum pavio.
Uma romântica que não dá um pio.
Que espera por sei lá quem, há sei lá quanto tempo e que mora sei lá onde.
Alguém que suspeite ou não da minha existência.
Mas que, assim como eu, saiba que não é em vão o que se escreve.

Porque o amor nunca é desperdício.
Existindo ou não, ele tem destino.
E disso eu sei.


by Rachel Nunes*

27 de jul de 2011

Daltonismo

                                                                    imagem: weheartit


Há tanta inspiração guardada...
num baú dourado no fundo da alma.
Esperando um estímulo para sair.
Criar asas, ganhar forma de anjo.
Voar pelos canteiros da mente,
a colher as mais diversas flores -
multicoloridas e outras preto e branco.

Não interessa.
A verdadeira cor é vista no fim.
Do passeio ou da imaginação.


by Rachel Nunes*

26 de jul de 2011

Escuridão do seu coração.

                                                                    imagem: weheartit



Você não suporta a luz, não é mesmo?
Acontece...
Quando se acostuma com a falta de algo, a presença pode incomodar.



by Rachel Nunes*

23 de jul de 2011

Diálogo interno

                                                                        imagem: weheartit


Nunca pare de sonhar.
O "pra valer" não vale nada. É expectativa.
Mas não há sonho sem espera.



by Rachel Nunes*

20 de jul de 2011

O perfume da eternidade

                                                                   imagem: weheartit



Anjos habitam meu jardim.
Voam no meu céu - às vezes azul, outras cinza.

Ao olhar pela janela, lá estão eles entre as flores.
E eis que, de repente, pousam gentilmente no meu ombro.
Para que eu sempre saiba que estão ali.
No coração, na mente, na presença, na saudade.

Eles estão ali. Estão aqui.
São tesouros que encontrei pelo caminho.
Sem pedir.
De surpresa - que compõe a vida.
Raridades concedidas por Deus.

Os meus anjos possuem asas invisíveis.
Elas não precisam ser vistas.
Quem sabe voar simplesmente voa.


------
Aos meus seres celestiais.
Donos de um brilho que ultrapassa o interior.
Àqueles que, merecidamente, chamo de AMIGOS.



by Rachel Nunes*

18 de jul de 2011

A cor do eterno

                                                                     imagem: weheartit

O infinito é um lugar estreito.
Uma trilha cheia de espinhos
Arrancados das flores a sangue frio.

É estrada molhada pelas emoções de quem as abandona.
É caminho florido de possibilidades azuis.
Tom calmo e elétrico
Onde a impaciência se machuca e aprende a ser mar.
Tranquilo e sereno.


Pois é só assim que se passa pelo perene.



by Rachel Nunes*

15 de jul de 2011

Accio amore.

                                                                  imagem: weheartit

     
      Quero uma magia intensa. Alguma que continue após o fim. Um encanto eterno que sobreviva a tempestades e terremotos sem sofrer um único arranhão sequer. Nenhum corte no exterior e muito menos no interior - aquele espaço de cicatrização aparentemente impossível.
       Quero uma magia real e que brilhe mais que todas as estrelas juntas. Uma magia que ofusque, entedie e não nos canse. Com um feitiço que só o coração entende.
       Sem obscuridade. Uma magia que conduza à luz. Que alcance o céu sem precisar tirar os pés do chão. Algo que não desperte contentamento diante da alegria, mas que a queira evoluir para a felicidade.
       
       Uma magia simples e profunda. Apenas parecida, mas exatamente igual ao amor.


by Rachel Nunes*

Das (im)possibilidades

                                                                     imagem: weheartit

       
É como tentar injetar flores nas veias. Não cabe, não entra, não absorve.

by Rachel Nunes*

14 de jul de 2011

Doce prisão

                                                                   imagem: weheartit

      Como garras, o amor prende. Rasga o coração. Vagarosamente, que é para doer mais. O prazer é maior. E só vale assim. Pouco sofrimento não aumenta a sede de amor.
      Não se engane, não é amor sujo. Ele é puro e sensível. Daqueles em que todo cuidado é pouco. Sim, quando se trata do coração, é preciso um zelo selvagem. Preservar enquanto usa.


by Rachel Nunes*

I know.

imagem: weheartit


        Eu sei que expectativas exageradas geram decepção e tristeza. Eu sei que não se deve ser precipitada e inconsequente. Que tudo deve ser muito bem analizado antes de dar o primeiro passo. Também sei que quanto maior o sonho, maior a ilusão. Eu sei, eu sei. Mas não posso evitar.  E talvez nunca consiga parar de sonhar.


by Rachel Nunes*

12 de jul de 2011

Sobrecarga

imagem: weheartit

          Coração bobo tem dessas coisas. Sente mais do que o que pode aguentar (e como aguenta, viu?). Poucas e boas. Ou melhor (quer dizer, pior) muitas e más.
          E quem não tem o coração bobo? Quem é boba? De nascença ou por carma?
          A carga é dupla, tripla, infinita. Tem que ser um hulk versão feminina. Suportar dores que os masoquistas adorariam sentir. Dores profundamente dolorosas. E não é redundância. É intensidade.


by Rachel Nunes*

O melhor?

                                                                    imagem: weheartit


O continuar e o saber quando parar.
A forma de esquecer o que se deseja viver.
Numa eternidade efêmera de passos curtos.
O próximo está cada vez mais distante.
O "logo ali" é o caminho mais perigoso.
O mais difícil é o mais seguro.
Segurança para quem?
Tudo é uma questão de correspondência.

Talvez o mais vulnerável seja o melhor.


by Rachel Nunes*

O inesperado esperado

Sabe o que a vida tece quando você não espera?
Laços de fita azul com manchas pretas de desilusão.
Para prender, isolar.
É só isso o que surge para testar o entusiasmo no prosseguir.
         
Rumo a um futuro incerto para nós e pré-determinado no passado.


by Rachel Nunes*

10 de jul de 2011

Do que interessa

                                                                      imagem: weheartit
                                                               

      Só o amor importa. Amor-amor ou amor-amizade. Não importa o que contraria esse belo sentimento. Só importa o que está nas pétalas das flores. Todo o resto é poeira que o vento leva. Grãos de solidão que só preenchem superficialmente. Vazio com vazio. Só o que é completo tem capacidade para preencher completamente. Satisfazer. A alma e o corpo. As duas extremidades do perecível e incompleto. As duas faces da moeda que importa, e que realmente possui valor.

by Rachel Nunes*

9 de jul de 2011

A tal da distância

                                                                     imagem: weheartit 
             
                                        
        Não entendo porque nossos caminhos tem que serem assim tão distantes. Sinceramente não me contento com o fato de você não estar ao meu lado quando preciso de forma insaciável. É desesperador o quanto você me faz falta. Como quando desejamos ver o sol em um dia nublado e gélido. Uma luz no céu para acender outra no coração.

by Rachel Nunes*

Caprichos daquilo que chamamos de alma

                                                                      imagem: weheartit


      Tocava a água como se quisesse absorver a pureza do invisível e intocável. E realmente queria. Com o desejo intenso e despretensioso de quem simplesmente não deseja nada.

by Rachel Nunes*

Eu acredito.

                                                                   imagem: weheartit



        Acredito numa completa leveza da alma. Sem embaraço, cor escura, sombras, nem nenhuma dessas coisas que pesam e puxam para baixo. Somente naquelas que acalmam e fazem a gente ter a impressão de que a gravidade não existe. Que não há preocupação nem mal para lutar contra. Acredito que é possível construir um mundo bonito, leve e claro. Onde só houvesse o barulho do vento, que na maioria das vezes não se escuta, o som dos pássaros, a luz do sol, as cores e os perfumes das flores.

by Rachel Nunes*