30 de nov de 2012

(In)acabado

imagem: weheartit


Inquietava.
Não era ruim, eu sabia.
Não havia compasso, mas eu andava.
Às vezes, caía no seu abraço e


C
A
Í
A
...


Alguma brisa arrastava,
Varria da alma
E despejava:
Caminhos azuis,
As feras do passado;
A risada alta do desespero.

Espero...
As folhas bagunçadas pelo vento.

O mal insistiu na cabana arruinada.
Vi o manto preto cair mostrando o sol
 E a parede subir trazendo a escuridão parada.

O quadro balançou,
Eu pensei numa saída.
A porta bateu,
Você saiu... 

A partida.

Nas ruínas,
Destaquei borboletas,
Engoli brilhos para ver se eu via
O bem que antes sumia.
(Não me enganei, existia).


Sim, eu tinha:
Todas as armas,
Toda magia;
Nenhuma coragem,
Alguma força.


by Rachel Nunes*

17 de nov de 2012

Quão distante?

imagem: weheartit


(Vidro quebrado)
Na janela de madeira descascada,
Eu vejo longe o perto de mim.
Na lâmpada queimada,
Contemplo o que abandonei no fim –
Copo meio cheio e vazio por inteiro.

(Fogueira apagada)
Fora da casa, na praia cintila:
O fogo da razão,
O frio agoniante da imensidão.

(A porta cai)
Do nada.
De repente, o tudo.
Toda a confusão que a calma leva consigo.

(Saiu da janela)
E agora, onde está?
Tão perto do sim
Ou tão longe de si?


by Rachel Nunes*