27 de ago de 2011

Metáfora

                                                                     imagem: weheartit

                     Sou folha rasgada, que, com o toque de uma brisa suave, dança freneticamente como se não possuísse vida.  Mas será mesmo que não possui? Quem foi que disse isso? Pedaço de folha não pensa. Se o faz, já não é mais. E passa a ser o quê? Talvez folha viva, ou até algo que sinta e escreva. Até cair, de vez em quando, num poço perto do lago da realidade. Boiar na água parada e ter a sensação momentânea de que já não existe mais.
                     Até descobrir que o poço também contém o real. E que, a mesma brisa suave que a transportou até ali, será aquela que a levará gentilmente para outro jardim. Onde as curvas do vento que arrancaram sua parte, completem-na novamente.
                     Folha que nasceu para ser inteira não resseca metade.



                                                                     by Rachel Nunes*

3 comentários:

Danilo MM disse...

Em algum chão hemos de renascer.

A.S. disse...

Uma folha de outono rasgada a meio pelo vento e levada pela brisa, encontrará sempre a outra metade... como duas bocas que se desejam!


Beijos!
AL

Van disse...

Levada pelo vento a folha seca traça seu curso e descobre em si mesma mais vida do que pensava ter.

Amei demais sua metáfora, Rachel, poesia pura.

Beijos!