11 de ago de 2011

Fixada nas nuvens

                                                                    imagem: weheartit



Borboleta presa não vê o chão.
A gaiola metafórica é ilusão desastrosa dos desiludidos.
            Quem sonha não vê nada além do céu – celeste, sereno e pedregoso.

Sim, sim, há dificuldade no fim.
O prosseguir é repleto de cercas.
Para atravessar tem que voar.
Esquecer as cordas que amarram nossos pés e
Regenerar as asas cortadas pelo vento cruel.

Impulso. Aquele que surge quando a lembrança do calor, antes esquecido,
Refresca o caminho futuro.
Impulso futuro: a união de um agora com o antigo depois.
O vôo terrestre de quem não sabe voar.
O devaneio de quem não sabe não tentar.



by Rachel Nunes*

7 comentários:

Sandrio cândido. disse...

Mesmo que o fim seja inevitável,vale a pena caminhar
abraços

Van disse...

Coisa mais linda, Raquel!

É assim que se vive
voando sem asas
tentando cada sonho realizar

Um beijo, moça!

Ela disse...

Muito bom, Parabéns!

Danilo MM disse...

O sonho não quer saber dos porquês.

Fernanda Fraga disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernanda Fraga disse...

Não, não podemos parar.
É preciso guiemos o voo.

Um beijo

Shuzy disse...

Deixar a alma leve, ao sabor da brisa. Liberdade!